quarta-feira, 20 de junho de 2012

A vida (e como tudo cabe nela)

Pedi aos meus amigos facebookianos que dissessem a primeira palavra que lhes viesse à cabeça para, com elas, fazer um post. Eles escolheram, e o resultado foi este:

A minha vida tem sido uma espécie de sala de ensaio, na qual vou montando as minhas coreografias ao ritmo das músicas que vão tocando, sempre à espera do dia de subir ao palco. Por vezes, os movimentos são aleatórios, descoordenados, muitas vezes atabalhoados, como se tivesse bebido uma dose industrial de caipirinha. Outras vezes, são harmoniosos, coerentes, repetitivos até, como se de uma aliteração do corpo se tratasse. 

Nesta sala já aprendi muita coisa; por exemplo, aprendi que posso levantar os estores das janelas e deixar o sol entrar. Ao fazê-lo, sei que vou tornar o ambiente mais iluminado e alegre, o que me irá deixar mais motivada e com a esperança de um bom resultado final. Mas, por outro lado, sei que o calor irá aumentar, podendo tornar esta sala num local irrespirável, provocando um cansaço extremo que prejudicará a minha performance. Sei também que existem dias em que a dança é mais suave, os ensaios menos puxados, durante os quais consigo fazer umas quantas pausas para beber um sumo ou, calmamente, comer um gelado. Noutros, o ritmo será frenético, qual sessão de sexo desenfreado, onde o corpo já treme de tão dorido, mas a alma não consegue parar de dançar.

Também sei que, nestes dias, vou chegar a casa de rastos e vou passar a noite cheia de cãibras nas pernas. É o preço a pagar pela paixão de insistir na vida, e por não comer as bananas que todos recomendam e dizem fazer bem aos músculos. Não importa, não quero ouvir ninguém. Vai sempre haver uma Maria, um José ou um Barnabé a querer tomar conta da minha coreografia, a dar instruções, a querer sobrepor-se à minha música interior. Mas a esses, eu aplico uma qualquer dose de Quitoso, como se de meros piolhos na minha cabeça se tratassem, e sigo em frente. Claro que vou errar muitas vezes, vou dar uma volta à direita quando devia dar à esquerda, e também vou torcer o pé e estatelar-me no chão. Nessas alturas, só tenho duas hipóteses: ou morro de vergonha e enfio a cabeça num buraco como a avestruz, ou sorrio, rio-me de mim mesma, e volto à posição inicial.

Nesta sala também já aprendi a identificar o que me faz mal, e sei que devia ser mais disciplinada. Devia agarrar no maço de tabaco e deita-lo ao lixo, como tantos vícios prazenteiros que nos prendem. Sei também que, de vez em quando, devia limitar-me às bolachas e aos chazinhos, evitando assim os abusos calóricos que a vida me coloca no caminho. Mas nem sempre sou forte, e sucumbo facilmente às feijoadas e às ervilhas com ovos escalfados deste mundo.

Mesmo assim, esta sala de ensaio é o lugar onde quero estar e, se um dia chegar a subir ao palco, sei que até desses erros, dessas quedas espalhafatosas, e dessas dores no corpo, irei sentir muita saudade.

23 comentários:

  1. Muito bom, Ana.

    E como sempre, tens muita razão!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. ahahahah adorei, esmeraste-te mesmo!
    Aliás nem esperava outra coisa. Categoria TOP!!!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Muito bom... sai uma caipirinha para a mesa do canto! :-)

    ResponderEliminar
  4. Oh, falta o meu italiano. :D Mas gosto do texto e das palavras têm tudo a ver contigo... menos os piolhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S*

      Tu não respondeste a esta publicação. O teu "italiano" era outra coisa, isto foi ontem à noite. Ora vai lá ver com atenção.

      Eliminar
  5. Safaste-te com toda a limpeza :)

    ResponderEliminar
  6. Grande Ana. Do melhor mesmo. Já acalmei os meus parasitas de canino. Eles queriam entrar na tua sala de ensaios, mas eu não deixei.
    O desafio foi engraçado.
    Fantástico. Parabéns.

    ResponderEliminar
  7. Uau! Ficou fantástico! Amei! ;)

    Beijinho ♥

    ResponderEliminar
  8. Muito bom Ana! "saudade" terminou um belo post!
    Adorei!
    Beijinho ;)

    http://so_risoincognito.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  9. clap clap clap .... e sai uma vénia **

    ResponderEliminar
  10. He!He! Bananas, Bananas (como quem diz aplausos!) Ana!

    ResponderEliminar
  11. Não te tenho no facebook, mas este texto revela alguém inteligente!! Aplaudo de pé, gosto do que escreveste.
    Abraço

    ResponderEliminar
  12. Este texto está muito muito bom!!!!Parabéns!!

    ResponderEliminar
  13. Um texto difícil de compor pelas palavras obrigatórias, mas que um fio condutor bestial transformou num texto coerente e muito bem esgalhado!
    Parabéns e beijinhos,

    ResponderEliminar
  14. muito bom jogo de palavras!! Adorei como conseguiste espetar com "aliteraçao" ai para o meio =P

    ResponderEliminar
  15. Muito bom...peço desculpa por usar tambem este desafio no meu blog e espero que não leves a mal. Bjoca

    ResponderEliminar