domingo, 6 de junho de 2010

Por umas pagam outras

Nós, mulheres, não deveríamos ficar irritadas quando um homem interpreta um não nosso como sendo um talvez, ou um talvez como sendo um inequívoco sim. Não deveríamos dizer cobras e lagartos daqueles que continuam a insistir e a insistir incansavelmente, mesmo depois de lhes dizermos que não estamos para aí viradas. Na minha opinião, deveríamos era espetar dois estalos na tromba de todas as sonsas que, mesmo quando estão mortinhas para que eles lhes saltem para cima, fazem aquele ar de "ai que eu sou tão difícil e vais ter de te esfalfar todo para me conseguires convencer". E no fim conseguem. Ou daquelas moscas mortas que ficam em casa cheias de nervoso miudinho à espera que o telemóvel toque para não parecerem umas oferecidas se forem elas a ligar primeiro, e ainda fazem aquele número do "ai não sei se amanha posso...". Mas depois podem sempre.
São essas meninas, as que não sabem dizer aquilo que querem sem mariquices e truquezinhos idiotas, as que nunca tomam uma iniciativa, as que fogem quando, na verdade, estão mortinhas para ser apanhadas, que fazem com que alguns homens nunca saibam muito bem quando é que um não é realmente um não. Fossem mais directas quando realmente querem e talvez eles percebessem a diferença em três tempos.
 
Pensando bem, dois estalos na tromba ainda era pouco...



47 comentários:

  1. Sim, mesmo muito pouco... LOL

    Pluto :)

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo completamente... estaladão nelas sem dó nem piedade! ;)

    ResponderEliminar
  3. Bem, eu sou do clube das "what you get is what you see!". O que é bom, porque isso significa que não me candidato a um par de chapos teus! E que os meninos inteligentes chegam à conclusão de que o que eu digo significa exactamente o que eu digo, sem agendas escondidas.

    ResponderEliminar
  4. Nada melhor que ser directa. Mas há homens que preferem esse género por parecerem mais inocentes. Mas só parecem, por vezes são piores que as que vão à luta.

    Estaladão para elas! :D

    ResponderEliminar
  5. lembro-me de há uns belos anos atrás ter convidado uma rapariga para ir ao cinema e de ela ter dito "ah e tal em principio não posso, deixa-me ver, mas não contes e tal", conversa que já era demasiado habitual nela para o meu gosto (é que uma vez até pode mesmo acontecer, mas sempre nem por isso).

    passado umas horas já podia...

    mas como já me fartava, disse-lhe "deixa lá, agora sou eu que não posso, já marquei com outra pessoa".

    mulheres... :P

    ResponderEliminar
  6. Conheço umas quantas assim e quando se põem a dar conselhos de que não deves ser preto no branco quanto ao que queres em relação aos homens ou quando estão a descorrer a táctica para deixar o homem que lhes interessa preso pelo beicinho, numa espécie de toca e foge, quase sempre desligo ou deixo-as a falar sozinhas.

    Depois, passado uns tempos, quando finalmente decidem que hoje é que vai ser, afinal o hoje não foi porque o homem cansou-se de brincar ao gato e ao rato, vêm com a deixa maravilhosa: 'ele não esperou porque não estava interessado, já viste eu tinha razão, são todos iguais'.

    ResponderEliminar
  7. Ana,
    Mesmo não sendo mulher, não me arrisco a ficar muito tempo por aqui. Ainda sobra alguma coisa para mim... lol... Fuiiiiii....
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Não posso com moscas mortas sonsas e pudicas!!!

    bjs

    ResponderEliminar
  9. Não percebo as mulheres que não assumem o que querem, sem jogos parvos. Ah e tal, sim, não, talvez, se calhar, coiso... Não há pachorra!
    E ainda correm o risco, da vida lhes passar ao lado. :)

    ResponderEliminar
  10. Ora aqui está uma gaja decidida.
    É verdade, muitas mulheres ainda continuam a fazer-se difíceis e depois tudo se transforma num bazar marroquino, com cada um a regatear o preço do artigo.
    E às vezes acabam por ir mesmo em saldo eheheh.

    ResponderEliminar
  11. Mas podes crer que a culpa é mesmo das outras... mania de se armarem em santas.

    ResponderEliminar
  12. Como compreendo este texto. Mas a pior parte é que depois os meninos coitados que nunca tiveram uma gaja como deve de ser, directa e objectiva ficam intimidados porque dizemos exactamente aquilo que queremos.

    2 estalos era muito pouco.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. nao é nao e tá dito ora bolas!!!!

    ResponderEliminar
  14. O que me enervam as sonsas... E, como dizem, geralmente têm mais sucesso...

    ResponderEliminar
  15. Sabes que acho que essas estão tão baralhadas que nem sabem bem o que querem. Pior, os desgraçados é que têm que andar a rondar até que elas se decidam...

    Para mim não eram dois estalos na tromba, um dia inteiro (ou talvez uma semana) a aturar pessoas com dificuldades em tomar decisões!

    ResponderEliminar
  16. Estamos violentas, hoje?
    Estou a ver que tá difícil de compreender ahahah

    ResponderEliminar
  17. Em matéria de santidade, há gajas que ganham à Senhora de Fátima eheheh.

    ResponderEliminar
  18. Falando por mim, quando uma mulher me diz que não, para mim é não e acabou-se.
    Esses joguinhos da treta não combinam com a minha personalidade...
    Claro que isto já fez com que algumas ficassem um bocado no limbo, habituadas que estão a que andem atrás, e insistam...
    Lá está, a que um não seja um sim dissimulado de talvez-não-sei-vamos-a-ver...

    :)

    ResponderEliminar
  19. Eu sublinho o que disse o Ulisses, o chato é que depois se um gajo não entra em jogos fica como o mau da fita, antipático, etc...

    ResponderEliminar
  20. Podes crer... Detesto gente que se faz daquilo que não é... Grrrr

    ResponderEliminar
  21. :)
    O teu post, ou meu, podiam ser a continuação um do outro.. É que é mesmo isso! E por causa de umas, todas nós passamos por ser complicadas...

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  22. Opa, eu ando a fugir... de um homem casado... E se o quero, upa upa! Mas a minha consciencia e' tramada!

    ResponderEliminar
  23. Oh Mel, mas aí a história é outra. Tu foges porque ainda tens alguns (poucos vá, que eu sei) neurónios a funcionar, e não para te armares aos cucos.

    São situações diferentes...

    ResponderEliminar
  24. Digo NAO tantas vezes... Não é não! mas olha que mesmo assim há uns que nao compreendem!

    ResponderEliminar
  25. E a quantidade de gajos que têm esse mesmo problema? Ó, resmas e resmas deles. A esses sim, dava-lhes um estalo nas trombas, só por nos deixarem assim sem saber o que pensar porque também não sabem o que querem.

    ResponderEliminar
  26. O Patife é mais virado para o sim.

    ResponderEliminar
  27. "(...) e no fim conseguem (...)"
    qual no fim??? é logo de seguida!
    :P

    ResponderEliminar
  28. Não sei para quê esses joguinhos, cá comigo quando é não é não, e quando não quero sair digo logo que não estou interessada, não invento cá rodeios... sei que eles ficam chateados com este comportamento, mas antes isso do que tê-los sempre à perna... bjs

    ResponderEliminar
  29. Quando comecei a namorar com o meu actual namorado, já trazia um passado pouco florido. Era mais para o espinhento. E um rapariga, de quem já fui mais amiga, deu-me logo o conselho de não revelar nada sobre os meus ex nem as minhas histórias porque ele podia não gostar e perder o interesse. E eu pensei, mas que carago!, como se constrói uma relação com alguém, se estamos logo a esconder-lhes uma parte de nós? Não segui o conselho dela e garanto-te que só tive a ganhar com isso. E definitivamente nunca me mostrei ocupada quando não estava. Felizmente, ele também não, é pouco dado a filmes parvos.

    ResponderEliminar
  30. Oh minha querida, pior do que gajas assim, só mesmo gajos. Acredita que não há nada mais irritante do que ter de conviver com gajos "dificeis" (leia-se:parvos).
    Beijo

    ResponderEliminar
  31. Pessoal:

    No fundo, eu estou-me nas tintas se algumas gajas se armam em difíceis ou não, isso é lá problema delas e de quem andar atrás delas.
    A boquinha era mesmo para os "senhores" que não sabem ouvir um NÃO e acham sempre que "faz parte do filme".

    ResponderEliminar
  32. Ainda bem que explicaste...


    Ah! Ah! Ah!

    :|

    ResponderEliminar
  33. Eu sempre ouvi dizer que as mais dificeis são as mais oferecidas e falo bem com experiência de causa, que eu tenho uma na família que é assim.

    Mil pétalas...

    ResponderEliminar
  34. ah filha dos dois lados ninguém se entende nem quer dar parte de fraco
    nenhum diz sou incapaz de viver sem ti...se não tiver a certeza que o outro se dobra também
    e um ou outro pensam sempre ela/ele detesta-me mas se calhar amanhã só lhe desagrado e no fim da semana sirvo-lhe de mascote
    por isso imediatismo nas relações inumanas é algo que não existe

    ResponderEliminar
  35. tst oproprio:

    "ah filha" não, sff... é mau demais...

    Agradeço o comentário, mas não o consigo encaixar no contexto.

    ResponderEliminar
  36. é mesmo verdade, concordo em absoluto! é ver-nos com aquela cara de parvas a pensar "como é que eles ainda caem nestas coisas?" ou então sabem muito bem onde estão a cair e nem se importam.

    (eu ainda estou a ponderar se deixo a música a tocar automaticamente ou se deixo só lá o player para quem quiser ouvir. obrigada pela tua opinião)

    ResponderEliminar
  37. O Patife é um grande tolo, tá visto. :P

    ResponderEliminar
  38. Não culpes as outras mulheres por causa disso. Dá mas é o par de estalos no gajo...loooool

    ResponderEliminar
  39. Jedi Master Atomic:

    Obviamente que não culpo, mas que alguns se habituam a isso e depois metem tudo no mesmo saco, isso é um facto.
    Seja como for, o meu texto foi todo escrito em tom irónico, o que é um hábito meu:-)

    ResponderEliminar
  40. Ana
    Esclarece-me.... na altura que escreveste o post estavas de férias, não estavas? Ou seria antes de ressaca das mesmas?
    Livra! ;-)

    ResponderEliminar
  41. JP:

    Não, não estava, nem de uma nem de outra. É simplesmente assim que fico quando algo ou alguém me irrita:-)

    ResponderEliminar